quarta-feira, 17 de março de 2010

PARE DE EMPURRAR COM A BARRIGA E DECIDA HOJE...

Mania de deixar as tarefas para depois atrapalha vida de muita gente .
“Eu procrastino, tu procrastinas, ele procrastina…” É… o verbo procrastinar não é mesmo dos mais fáceis de conjugar: tripudia com a língua. Mas a verdade é que, por detrás da palavra de som desagradável e significado pouco conhecido, mora uma expressão fácil, que todo mundo no Brasil já ouviu pelo menos uma vez na vida. Procrastinar, afinal, nada mais é do que o famoso “empurrar com a barriga”. Ou, para usar outro lugar-comum, a mania de deixar para amanhã o que tinha tudo para ser feito hoje.

A forma verbal procrastinar quase sempre é confundida com a forma verbal postergar, explica Airton Soares, professor da Universidade de Fortaleza e autor de, entre outros livros, “O Mundo Fora de Esquadro”. A semelhança, entretanto, é só aparente. “Ambas denotam o ato de preterir, mas não são sinônimas. O procrastinador está sempre deixando as tarefas para o dia seguinte, enquanto quem posterga deixa tudo para ser resolvido numa posteridade indefinida”, explica.
No trabalho intitulado “O que é Procrastinação?”, o psicólogo clínico português, Nuno Conceição, vai mais fundo. Procrastinar, define, implica em deixar que as tarefas menos importantes antecipem as mais importantes: “Por exemplo, socializar com os colegas quando temos um projeto para entregar na próxima semana, ver televisão ou jogar computador em vez de estudar, falar de coisas superficiais com a namorada em vez de aprofundar os assuntos e preocupações relacionados com a relação, ou arrumar o quarto e organizar tudo até ao mais ínfimo pormenor, mas não estudar”.

Adiar crônico é que se torna problema. Para o psicólogo comportamental dos EUA, Joseph Ferrari, autor do livro “Procrastination and Task Avoidance” (“Procrastinar e Adiar Tarefas”), “deixar uma coisa ou outra para amanhã é perfeitamente normal”.
O problema, ressalva, é quando a procrastinação vira comportamento “crônico”, estilo de vida. “O procrastinador sempre tem uma desculpa pronta de por que deixou tudo para a última hora”, explica.
O psicólogo português Nuno Conceição aborda as duras conseqüências que o problema traz para a vida dos procrastinadores de carteirinha. “Qualquer tipo de procrastinação envolve a decisão de adiar. Esta decisão pode levar a um alívio temporário imediato, mas a médio ou longo prazo pode conduzir a sentimentos de culpa, inadequação, autodepreciação, depressão, incerteza, ansiedade….”
O psicólogo lança mão do conceito de inércia para dimensionar adequadamente o fenômeno. Tendo em vista que uma massa em repouso tende a permanecer assim, observa, “são necessárias mais forças para iniciar a mudança do que para manter, o que convida ao adiamento do início das tarefas”. O adiar, por sua vez, leva a uma sensação temporária de conforto, mas só temporária porque logo torna-se ainda mais difícil agir no sentido inverso.
A boa notícia, enfatiza o psicólogo em “O que é Procrastinar?”, é que o comportamento aprendido pode ser também desaprendido.
Depois de tomar consciência de sua existência, a pessoa vai automaticamente, mas aos poucos, identificando de que são feitas e como se relacionam cada uma das engrenagens usadas para protelar. Daí para a mudança, é quase um pulo.
Fonte: http://www.bomdiabauru.com.br/index.asp?jbd=3&id=86&mat=134834

3 comentários:

  1. e a historia de Alice, lá continua....
    no
    ... continuando assim...

    mais logo, um novo capítulo

    um obrigada a quem segue (porque só vale a pena assim).

    Um especial convite, para quem ainda não mergulhou naquela história.
    ...é só uma história, apenas isso.

    obrigada
    e até logo
    Bj
    teresa

    ResponderExcluir
  2. Doutora que bela essa postagem !
    Sempre nos nutre com conhecimento ao nosso processo formativo que é a vida.

    Saudações, até mais! Deus abençoe !

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante este teu post. Aprendi mais um pouquinho hoje... e a minha barriga também! :)

    Bjs

    ResponderExcluir

Apontadora de Idéias

Minha foto
São Paulo, Brazil
"A senhora me desculpe, mas no momento não tenho muita certeza. Quer dizer, eu sei quem eu era quando acordei hoje de manhã, mas já mudei uma porção de vezes desde que isso aconteceu. (...) Receio que não possa me explicar, Dona Lagarta, porque é justamente aí que está o problema. Posso explicar uma porção de coisas... Mas não posso explicar a mim mesma." (Lewis Carroll)

Arquivo do blog