quarta-feira, 20 de março de 2013

CANÇÃO DE OUTONO


Perdoa-me, folha seca,
não posso cuidar de ti.
Vim para amar neste mundo,
e até do amor me perdi.

De que serviu tecer flores
pelas areias do chão,
se havia gente dormindo
sobre o própro coração?

E não pude levantá-la!
Choro pelo que não fiz.
E pela minha fraqueza
é que sou triste e infeliz.
Perdoa-me, folha seca!
Meus olhos sem força estão
velando e rogando áqueles
que não se levantarão...

Tu és a folha de outono
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
- a melhor parte de mim.
Certa de que tudo é vão.
Que tudo é menos que o vento,
menos que as folhas do chão...
Cecília Meireles

4 comentários:

  1. Oi Eliete, belíssima poesia de Cecília Meireles, é tudo que precisamos ler e ouvir neste começo de Outono!
    Eliete saudades... tudo de bom!
    Fique com Deus

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema!!!
    Uma semana iluminada minha flor!!!

    ResponderExcluir
  3. Oi Eliete,

    Que poema lindo, Cecília Meireles é demais...
    Que seja Bem Vindo o Outono! Não aguentava mais aquele calorão.
    Bjs

    ResponderExcluir

Apontadora de Idéias

Minha foto
São Paulo, Brazil
"A senhora me desculpe, mas no momento não tenho muita certeza. Quer dizer, eu sei quem eu era quando acordei hoje de manhã, mas já mudei uma porção de vezes desde que isso aconteceu. (...) Receio que não possa me explicar, Dona Lagarta, porque é justamente aí que está o problema. Posso explicar uma porção de coisas... Mas não posso explicar a mim mesma." (Lewis Carroll)

Arquivo do blog